A vida...


28.10.2005




Naufragio


Queria reencontrar-me finalmente
Com o poeta que habitou em mim:
Entrelaçado entre corpo e mente
Compor pra ela através de mim.

Mas já se foi! E nem pagou a conta,
Atropelando o tempo e a distância...
Se o reencontrasse perdoaria a afronta
Equiparando a perda à irrelevância.

Mas foi-se há muito pois perdi a graça
Das cores quentes de um verão perpétuo,
Dos arco-íris de extensos arcos,

Do alguém que atrai os outros para perto!
O capitão saltou do meu bom barco
E eu naufraguei no meu chorar incerto...

Escrito por Angel às 17h07
[ ] [ envie esta mensagem ]

25.10.2005


 

Anjo da Guarda

 

Descalça e suja, a pequena garota ficava sentada no parque olhando as pessoas passarem. Ela nunca tentava falar, não dizia uma única palavra. Muitas pessoas passavam por ela, mas nenhuma sequer lhe lançava um simples olhar. Ninguém parava, inclusive eu.

No outro dia eu decidi voltar ao parque curiosa para ver se a pequena garota ainda estaria lá. Exatamente no mesmo lugar aonde ela estava sentada no dia anterior, ela estava empoleirada no alto do banco com o olhar mais triste do mundo. Mas hoje eu não pude simplesmente passar ao largo, preocupada somente com meus afazeres. Ao contrário, eu me vi caminhando ao encontro dela. Pelo que todos sabemos, um parque cheio de pessoas estranhas não é um lugar adequado para crianças brincarem sozinhas.

Quando eu comecei a me aproximar dela eu pude ver que as costas do seu vestido indicavam uma deformidade. Eu concluí que esta era a razão pela qual as pessoas simplesmente passavam e não faziam esforço algum em se importar com ela. 
Quando cheguei mais perto a garotinha lentamente baixou os olhos para evitar meu intenso olhar. Eu pude ver o contorno de suas costas mais claramente. Ela era grotescamente corcunda.

Eu sorri para lhe mostrar que eu estava bem e que estava lá para ajudar e conversar. Eu me sentei ao lado dela e iniciei com um olá. A garota reagiu chocada e balbuciou um "oi" após fixar intensamente meus olhos. Eu sorri e ela timidamente sorriu de volta. Conversamos até o anoitecer, quando o parque já estava completamente vazio. Todos tinham ido e estávamos sós.

Eu perguntei porque a garotinha estava tão triste. Ela olhou para mim e me disse:

"Porque eu sou diferente".
Eu imediatamente disse sorrindo: "Sim, você é".
A garotinha ficou ainda mais triste dizendo: "Eu sei".
"Garotinha" eu disse "Você me lembra um anjo, doce e inocente".
Ela olhou para mim e sorriu lentamente, levantou-se e disse: "De verdade??".
"Sim querida, você é um pequeno anjo da guarda mandado para olhar todas estas pessoas que passam por aqui".
Ela acenou com a cabeça e disse sorrindo "Sim", e com isto abriu suas asas e piscando os olhos falou: "Eu sou seu anjo da guarda".

Eu fiquei sem palavras e certa de que estava tendo visões. Ela finalizou:
"Quando você deixou de pensar unicamente em você, meu trabalho aqui foi realizado". Imediatamente eu me levantei e disse: "Espere, porque então ninguém mais parou para ajudar um anjo?”

Ela olhou para mim e sorriu: "Você foi a única capaz de me ver" e desapareceu. Com isto minha vida foi mudada drasticamente. 
Quando você pensar que está completamente só, lembre-se: seu anjo está sempre tomando conta de você. O meu estava.

 

Beijinhus e Obrigada pelos Comentes...

(`'·.¸(`'·.¸ ¸.·'´) ¸.·'´)
«`'·.¸.¤ Þëkëñä Mëñ¡ñä ¤.¸.·'´»
(¸.·'´(¸.·'´ `'·.¸)`' ·.¸)

Escrito por Angel às 17h31
[ ] [ envie esta mensagem ]

A importância de ser você mesmo! 

Certo dia, um Samurai, que era um guerreiro muito orgulhoso, veio ver um Mestre Zen. Embora fosse muito famoso, ao olhar o Mestre, sua beleza e o encanto daquele momento, o samurai sentiu-se repentinamente inferior.
Ele então disse ao Mestre:
- "Por quê estou me sentindo inferior? Apenas um momento atrás, tudo estava bem. Quando aqui entrei, subitamente me senti inferior e jamais me sentira assim antes. Encarei a morte muitas vezes, mas nunca experimentei medo algum. Por quê estou me sentindo assustado agora?"
O Mestre falou:
- "Espere. Quando todos tiverem partido, responderei."
Durante todo o dia, pessoas chegavam para ver o Mestre, e o samurai estava ficando mais e mais cansado de esperar. Ao anoitecer, quando o quarto estava vazio, o samurai perguntou novamente:
- "Agora você pode me responder por que me sinto inferior?"
O Mestre o levou para fora. Era um noite de lua cheia e a lua estava justamente surgindo no horizonte.
Ele disse:
- "Olhe para estas duas árvores, a árvore alta e a árvore pequena ao seu lado. Ambas estiveram juntas ao lado de minha janela durante anos e nunca houve problema algum. A árvore menor jamais disse à maior "Por quê me sinto inferior diante de você? Esta árvore é pequena e aquela é grande - este é o fato, e nunca ouvi sussurro algum sobre isso."
O samurai então argumentou:
- "Isto se dá porque elas não podem se comparar."
E o Mestre replicou:
Então não precisa me perguntar. Você sabe a resposta. Quando você não compara, toda a inferioridade e superioridade desaparecem. Você é o que é e simplesmente existe. Um pequeno arbusto ou uma grande e alta árvore, não importa, você é você mesmo. Uma folhinha da relva é tão necessária quanto a maior das estrelas. O canto de um pássaro é tão necessário quanto qualquer Buda, pois o mundo será menos rico se este canto desaparecer.
Simplesmente olhe à sua volta. Tudo é necessário e tudo se encaixa. É uma unidade orgânica, ninguém é mais alto ou mais baixo, ninguém é superior ou inferior. Cada um é incomparavelmente único. Você é necessário e basta.
Na Natureza, tamanho não é diferença.
Tudo é expressão igual de vida.
 

Escrito por Aninha às 16h55
[ ] [ envie esta mensagem ]
Busca na Web:

Perfil

Meu perfil
BRASIL, Centro-Oeste, Mulher, de 15 a 19 anos, French, Música, Livros